19 de julho de 2017

O que é mais Guloso do que uma santola envolta em tomate?

Sei que ando ausente do blogue, mas acreditem que é só por bons motivos. O trabalho tem sido muito e os desafios cada vez maiores.

Hoje somos já uma equipa cada vez maior e agora espero conseguir ter mais tempo para escrever com maior regularidade aqui neste cantinho tão especial para mim.

Entretanto, com imenso orgulho recebi um novo desafio para me juntar a uma nova equipa de gulosos. E a partir de hoje tenho imensas sugestões para vos apresentar com os fabulosos produtos da Guloso. Sempre usei polpa de tomate nas minhas receitas e incrivelmente já usava os produtos Guloso. Quando recebi esta proposta fiquei verdadeiramente entusiasmada pois obriga-me a novos desafios na cozinha e maior criatividade. Posso garantir-vos que desenvolvi uma série de receitas maravilhosas e surpreendentes.

5 de junho de 2017

Larica Food Congress {Evento a não perder!}

É com imensa honra que vou fazer parte deste evento. Vai ser já no dia 13 de Junho, na Escola de Hotelaria e Turismo do Porto. Aqui vamos discutir o Futuro da Gastronomia nacional e vão estar presentes nomes extraordinários como Leonardo Pereira, Chef de Raiz, Vasco Coelho Santos, do Euskalduna Studio, Pedro Pena Bastos, do Esporão, ou Américo dos Santos, chef Pasteleiro do Belcanto. 

Podem inscrever-se, tem um custo simbólico de 5€. 
Vejam tudo AQUI.


31 de maio de 2017

Há sempre tempo para um café. {Terrine de Polvo}

Conhecem aquela sensação de que não cabe nem mais um bocadinho de tempo no vosso dia? Que têm mil coisas para fazer, mas que no fundo, no fundo, não sabem como vão encaixar no vosso dia completamente afogado? Pois essa é a minha sensação diária. Tem sido uma loucura tão grande a minha vida, tão cheia, tão afogada que às vezes esqueço-me de respirar.

19 de maio de 2017

Sou a embaixadora da Iglo {Que orgulho! - Meia Receita Feita}

No final do ano passado fui contactada para entrar numa campanha alucinante. A ideia desde logo foi desafiante e confesso que o meu coração acelerou. Agendámos reunião e fui conhecer as pessoas que estavam por detrás dos écrans. A empatia que se gerou foi tão imediata que desde logo percebi que tínhamos equipa vencedora e que esta campanha não teria outro adjectivo que não IN-CRÍ-VEL.

Ser a embaixadora da Iglo Portugal é verdadeiramente um orgulho imenso para mim. Por tudo o que a marca representa, pelos produtos deliciosos e cheios de qualidades não poderia ser melhor. E após entrar no espírito da empresa que se demonstrou muito melhor do que eu própria imaginava; as suas preocupações ambientais, pela sustentabilidade e o cuidado com que tratam os alimentos é verdadeiramente louvável. Vocês já me conhecem, não faço publicidade só porque sim, só aceito entrar em colaboração com as marcas com quem me identifico e a Iglo é realmente uma delas. Os produtos ultracongelados da Iglo são mesmo bem embalados e as ervilhas são congeladas no máximo com duas horas após a colheita. Incrível, não acham? Por isso podemos ter a certeza de que estamos a consumir produtos verdadeiramente frescos e saborosos.

Depois, para além de me identificar com a marca e vestir com orgulho a sua camisola, fazer parte deste projecto em conjunto com a The Hotel, não foi de todo um trabalho, mas sim um prazer imenso. Os quatro dias que passámos juntos, nos campos de ervilhas da Iglo em intensas filmagens foram mágicos. Toda a equipa de filmagens foi amorosa e eu fui recebida da melhor forma possível. Foi tão, mas tão bom que há poucas palavras para exprimir esses dias. Para além disso fui acompanhada pela minha tão grande e querida Teresa, meu braço direito e esquerdo que me apoia em todos os projectos e desenvolve comigo todas estes trabalhos criativos.

Nesses quatros dias fizemos muitos amigos, que tenho a certeza de que ficarão para sempre. E, apesar, de ter sido logo a seguir à morte do meu pai, tenho a certeza de que ele esteve lá comigo, todos os dias, a dar-me força. E toda a equipa, especialmente a Bárbara, a Joana e o Tiago foram muito, mas mesmo muito atenciosos. Senti-me muito abençoada.


E a equipa da Iglo? É realmente difícil agradecer-vos, obrigada por apostarem em mim e da minha parte farei tudo o que estiver ao meu alcance para mostrar a toda a gente que realmente os produtos da Iglo são verdadeiramente bons e saborosos.

Esta campanha começa com Meia Receita Feita. Sim, porque os produtos Iglo estão já tratados, escolhidos e lavados e depois apresento-vos várias sugestões de utilização destes produtos deliciosos. Podem ver tudo no site da Iglo, mas também vão estando atentos, pois mais novidades vão surgir.

7 de maio de 2017

Carta aberta às minhas filhas {e uma promessa}

Fotografia by Brígida Brito

Maria e Margarida,

Hoje celebra-se o dia da mãe, mas dia da mãe é sempre (desde que vocês apareceram na minha vida). Se há coisa de que me orgulho diariamente; me enche o corpo, a alma e o coração, é o facto de ter duas filhas como vocês. E, quis o universo, o karma, o destino ou Deus que eu tivesse duas filhas meninas, que um dia, possivelmente, também serão mães.

Não sei se me sinto capaz de vos ajudar ou aconselhar a serem mães (quem sou eu?!). Mas de uma coisa tenho a certeza, o meu modelo de mãe é tão grandioso que não tenho sequer hipóteses de conseguir sentir-me equiparada a ela. Sim, estou a falar-vos da Bá (ou da Bázinha, como tu dizes, Margarida!). Sei, também, que o facto de ter uma mãe como a Bá ajuda-me a conseguir ser o melhor todos os dias.

O meu feitio, as minhas ambições e a minha força de vontade fazem com que me meta em mil projectos e, muitas das vezes, tenho muito medo de falhar convosco. Não sou a mãe perfeita, mas tenho aprendido ao longo dos anos que tenho de relativizar e não quero, nem devo, procurar a perfeição. Em primeiro lugar porque ela não existe e em segundo lugar porque não precisamos de ser perfeitas para mostrar amor.

Maria e Margarida, vocês são duas meninas cheias de vida, têm uma luz tão especial, são tão incríveis que até me dói o peito de tanto amor que sinto por vocês. Já me diziam isso, antes de ser mãe, que era um amor que às vezes até dói. E é mesmo verdade. É uma dor boa, mas ao mesmo tempo o medo de que algo vos aconteça faz com que seja tão doloroso.

Há dias em que sinto que o tempo passou a correr, que não tive tempo para fazer uma actividade lúdica convosco, porque a roupa acumulou, porque o jantar atrasou, porque o cliente ligou já muito tarde e eu atrasei no escritório, porque ainda não tinham tomado banho, ou porque hoje era dia ballet e o tempo foi passando e chegam as horas de ir para a cama, olho para trás e não houve um momento em família como nós gostamos. E, por isso, hoje, dia da mãe, decidi escrever esta carta, fazendo-a em tom de promessa. Mesmo passando os dias atolada de trabalho e cheia de tarefas domésticas, e à noite tu Margarida não me deixares dormir, mesmo assim, terei sempre 10 minutos no mínimo para vos ouvir, a cada uma, e podemos fazer o que vocês quiserem. Durante 20 minutos (no mínimo!!!) sou só vossa. Sem computadores, telemóveis, jantares, roupas, etc!

A minha mãe ensinou-me: o que falas, leva o vento as palavras, o que escreves fica gravado para sempre. Escrevo, aqui, publicamente esta promessa, para que fique gravado como se fosse em pedra.

Com muito amor,
Mamã 


26 de abril de 2017

O turbilhão {Magret de Pato com Redução de Cacau e Laranja}

Tem sido uma constante por aqui pelo blogue falar-vos da imensidão de trabalho que tenho tido. As emoções descontroladas, e os ataques de choro às escondidas tem sido algo frequentes. Os sentimentos são confusos e baralhados.

Se por um lado [o maior!] me sinto imensamente agradecida por tudo o que a vida me tem proporcionado, por outro estou num limbo de angústia e uma vontade imensa em me fechar sozinha dias seguidos, só para me reencontrar e encontrar a minha paz interior.

Ter imenso trabalho, imensos projectos e imensas ideias é, sem dúvida alguma, o que mais gosto e preciso de ter na minha vida. Fui eu que procurei esta vida, fui eu que lutei por ela e conseguir alcançar os meus objectivos tão rapidamente só me pode deixar orgulhosa. Mas ao mesmo tempo só queria poder estar sozinha, um bocadinho [vá... já nem preciso de dias, já reduzo para umas horas]. Sem pressões, sem responsabilidades. Mas não posso. Não posso e tenho de aceitar isso. Reerguer-me e enfrentar a vida.

Sim! A vida às vezes é muito injusta. Sim, tira-nos assim as pessoas que gostamos e dou por mim diariamente a pensar: "tenho de contar isto ao pai", quando me cai a ficha constantemente de que ele já cá não está. Não é fácil. Digerir a minha perda é difícil, pois tal como ele era uma pessoa difícil, perdê-lo tornou tudo ainda mais complicado. Bem, são questões confusas e minhas, tão só minhas que terei de as resolver igualmente, sozinha. Mas hoje encontrei a forma de me sentir mais próxima dele. Hoje trago comigo o seu bem mais precioso, a aliança dele do casamento com a minha mãe que nunca o abandonou, a não ser aquando a doença o tornou magro demais para a usar. Hoje e para sempre estará comigo, na minha mão direita. Fará parte de mim, um bocadinho do meu pai, sempre junto a mim.

Para isso trago uns dos pratos que ele mais gostava, não esta versão que nunca cheguei a ter oportunidade de lhe mostrar, pois quando a desenvolvi (para o Festival do Chocolate em Óbidos) ele já estava muito doente para a poder provar. Mas aqui fica, Pai, espero que gostes, tenho a certeza que irias adorar.

MAGRET DE PATO COM REDUÇÃO DE LARANJA E CACAU

Ingredientes:

1 peito de pato
Sal q.b.
Pimenta q.b.

Para a redução de laranja:

2 laranjas
125g de açúcar
125ml de água
50g de manteiga de cacau
Flor de sal q.b.

Preparação:

Descasque a laranja e retire o excesso da parte branca.
Apare as cascas e corte em cubos pequenos.
Coloque num tacho o açúcar e a água e leve ao lume.
Quando levantar fervura coloque os cubos de casca e deixar cozer até amolecerem. Coloque depois o sumo de uma laranja e deixe reduzir até obter uma consistência licorosa.
Tempere com flor de sal.
Pré-aqueça o forno a 200º.
Faça leves incisões com a faca do lado da pele do peito de pato, de modo a criar uma grelha, na diagonal.
Aqueça bem a frigideira e coloque o pato com a pele virada para baixo.
Deixe cozinhar alguns minutos, até a pele ter a cor desejada.
Vire o magret e, com a ajuda de um espeto de metal, confira a temperatura no interior. Se pretender rosado, deve estar morno.
Rapidamente, coloque o magret no forno e aguarde cerca de 5 minutos.
Retire e deixe repousar alguns minutos, antes de cortar.
Sirva com a redução de laranja e cacau.

12 de abril de 2017

A sobrevivência do dia-a-dia {e o dia do lançamento do livro}



Fotografia tirada pelo meu queridíssimo amigo Hélder Teixeira

Quando as pessoas me perguntam como estou, confesso que não sei bem o que responder.
Ando num sistema tipo piloto automático, num estado de sobrevivência, acho mesmo que é essa a palavra certa. O facto de estar com imenso trabalho ajuda-me a passar os dias, mas quando páro por uns segundos a realidade assombra-me e fico com a sensação de estar a viver um pesadelo do qual não consigo acordar.

No meio deste turbilhão de sentimentos e de uma vontade louca de me fechar num buraquinho e poder chorar tudo a que tenho direito, tenho imensos compromissos aos quais não posso, nem quero faltar. Começou pela ida ao Você na TV que para quem bem me conhece irá notar uma Maria João bem menos viva pois pressentia, naquele preciso momento, que já não iria chegar a tempo de abraçar o meu pai. E depois, no dia seguinte, o lançamento do livro.

E é, por causa do lançamento, que aqui escrevo, porque tenho de agradecer às dezenas de pessoas que apareceram, num dia em que o sol brilhava forte lá fora. Quero, também, agradecer aos meus amigos, incansáveis a procurar o meu bem-estar, especialmente ao Hélder, que esteve sempre presente, me acompanhou nos piores e melhores momentos destes dias atribulados e que no dia do lançamento apareceu em minha casa com a fabulosa maquilhadora Joana do Porto Canal. Não tenho mesmo palavras suficientes para vos agradecer.

Depois às minhas meninas, da minha equipa fabulosa, que agilizaram tudo, tínhamos uma bancada cheia de flores, mesmo ao estilo Clavel's Kitchen. Aos meus familiares que estavam lá em peso. Ao Miguel, à minha mãe, aos meus irmãos...

Por fim, mas não por último, quero agradecer ao Nuno Borges que fez uma apresentação incrível e, como diz a Teresa, é sempre um prazer ouvi-lo falar. O seu domínio pela área da nutrição e alimentação é imenso e é uma honra enorme para mim estar a seu lado e ouvi-lo dizer que o meu livro é um bom livro; Ai, que orgulho!

O lançamento foi, realmente, um sucesso. Um dia muito agridoce para mim, mesmo muito. Mas, pai, se até agora a minha palavra sobre um equilíbrio alimentar foi relevante, a partir de agora torna-se imponente, essencial e crucial. A importância de uma alimentação saudável, um estilo de vida saudável é fundamental para uma vida equilibrada e com menos riscos. Sei que se pelo menos estivesses um pouco mais atento poderíamos ter evitado este desfecho horrível e, por isso, a partir de hoje serei ainda mais insistente neste ponto.

Pai, tenho saudades tuas.



Deixo-vos uma das receitas que levei à TVI e que é umas das minhas favoritas do livro. São umas bruchettas de cavala, são das entradas que fazem mais sucesso e eram uma das receitas que o meu pai mais gostava também.



Bruschettas de cavala com puré de cenoura

4 pessoas • Entrada/peixe

Ingredientes:

1 pão de cereais fatiado (350g)
2 latas de cavala picante em conserva
3 cenouras médias
2 dentes de alho
1 malagueta pequena
1 folha de louro
2 colheres de sopa de azeite
Sal q.b.

Preparação:

Tostar as fatias de pão numa frigideira com o azeite bem quente.
Esmagar um dente de alho e raspar nas fatias.

Cozer as cenouras num tachinho com água, sal, um dente de alho, a malagueta e a folha de louro. Escorrer a água, retirar a malagueta e a folha de louro e reduzir a cenoura a puré.

Escorrer bem o óleo das cavalas.
Barrar cada fatia de pão com o puré de cenoura e colocar por cima um filete de cavala.

Decorar com micro-rebentos ou ervas aromáticas.

7 de abril de 2017

O meu luto de branco

Estes últimos dias têm sido uma verdadeira montanha russa. O meu coração e o meu corpo tremiam de felicidade e de profunda tristeza. Há dois meses que a minha família foi abalada, mais uma vez, pelo monstro do cancro. Desta vez resolveu atacar o meu pai.

Foram dois meses de uma profunda agonia. Uma dor imensa ver alguém sofrer tanto e sentir-mo-nos completamente atados sem conseguir fazer nada, ou praticamente nada pela pessoa que nos é tão querida. Foi uma doença horrível, avassaladora, terrível e que me assombra durante as noites.

Não é fácil para mim escrever estes textos, não gosto de falar de coisas más, mas efectivamente elas fazem parte da vida.

O meu pai morreu hoje, às 12:59 enquanto eu vinha em contra-relógio no comboio, com uma esperança muito pequenina de ainda tentar arranjar-lhe a mão com força até ao último suspiro. Não estive de corpo, mas estive lá com ele, via telefone, até ao fim.

Fim. O que é isso do fim? Pois bem, o meu luto é branco. Eu acredito na luz, acredito na vida pós morte, acredito que ele deixou de sofrer e que agora está no caminho certo. E por isso mesmo decidi que deveria manter o meu lançamento do livro que é já amanhã.

Esta decisão, confesso, foi umas decisões mais difíceis da minha vida. Mas na forma como encaro a vida, na forma como mostro amor, não poderia ser de outra maneira. Vou ter oportunidade de homenagear o meu pai, num momento mais ou menos feliz, vou falar-vos um pouco da importância que ele teve para a construção da minha vida na área da alimentação. E sendo o meu pai um homem de literatura, tenho a certeza absoluta que ele estava muito orgulhoso por esta minha conquista. Enfim, vou tentar não chorar (o que não prometo), mas vou tentar relembrá-lo e mostrá-lo um pouquinho a vocês.

Obrigada a todos os meus leitores.
Ponderei seriamente se deveria fazer este anúncio público, mas acho que faz todo o sentido.

25 de março de 2017

O meu livro {12 ingredientes 60 receitas para toda a família}


É difícil colocar em palavras o turbilhão de emoções pelas quais estou a passar neste momento. É tão grande a alegria, o entusiasmo e a incredibilidade de eu ter feito um livro, que é difícil conseguir transmitir. :)

22 de março de 2017

O que irá acontecer a dia 8 de Abril?

Estou ansiosa por vos poder contar tudo. Mas enquanto não posso vou revelando assim aos bocadinhos. Pelo menos já sabem que será no dia 8 de Abril. Guardem o dia na vossa agenda, é muito importante para mim! :)

Para estarem a par de todas as novidades e saberem de antemão inscrevam-se na newsletter.
Garanto-vos que serão os primeiros a saber de tudo, com todos os pormenores. Falta muito pouquinho. Aiii.. que estou mesmo ansiosa.