Mostrar mensagens com a etiqueta agradecimentos. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta agradecimentos. Mostrar todas as mensagens

12 de abril de 2017

A sobrevivência do dia-a-dia {e o dia do lançamento do livro}



Fotografia tirada pelo meu queridíssimo amigo Hélder Teixeira

Quando as pessoas me perguntam como estou, confesso que não sei bem o que responder.
Ando num sistema tipo piloto automático, num estado de sobrevivência, acho mesmo que é essa a palavra certa. O facto de estar com imenso trabalho ajuda-me a passar os dias, mas quando páro por uns segundos a realidade assombra-me e fico com a sensação de estar a viver um pesadelo do qual não consigo acordar.

No meio deste turbilhão de sentimentos e de uma vontade louca de me fechar num buraquinho e poder chorar tudo a que tenho direito, tenho imensos compromissos aos quais não posso, nem quero faltar. Começou pela ida ao Você na TV que para quem bem me conhece irá notar uma Maria João bem menos viva pois pressentia, naquele preciso momento, que já não iria chegar a tempo de abraçar o meu pai. E depois, no dia seguinte, o lançamento do livro.

E é, por causa do lançamento, que aqui escrevo, porque tenho de agradecer às dezenas de pessoas que apareceram, num dia em que o sol brilhava forte lá fora. Quero, também, agradecer aos meus amigos, incansáveis a procurar o meu bem-estar, especialmente ao Hélder, que esteve sempre presente, me acompanhou nos piores e melhores momentos destes dias atribulados e que no dia do lançamento apareceu em minha casa com a fabulosa maquilhadora Joana do Porto Canal. Não tenho mesmo palavras suficientes para vos agradecer.

Depois às minhas meninas, da minha equipa fabulosa, que agilizaram tudo, tínhamos uma bancada cheia de flores, mesmo ao estilo Clavel's Kitchen. Aos meus familiares que estavam lá em peso. Ao Miguel, à minha mãe, aos meus irmãos...

Por fim, mas não por último, quero agradecer ao Nuno Borges que fez uma apresentação incrível e, como diz a Teresa, é sempre um prazer ouvi-lo falar. O seu domínio pela área da nutrição e alimentação é imenso e é uma honra enorme para mim estar a seu lado e ouvi-lo dizer que o meu livro é um bom livro; Ai, que orgulho!

O lançamento foi, realmente, um sucesso. Um dia muito agridoce para mim, mesmo muito. Mas, pai, se até agora a minha palavra sobre um equilíbrio alimentar foi relevante, a partir de agora torna-se imponente, essencial e crucial. A importância de uma alimentação saudável, um estilo de vida saudável é fundamental para uma vida equilibrada e com menos riscos. Sei que se pelo menos estivesses um pouco mais atento poderíamos ter evitado este desfecho horrível e, por isso, a partir de hoje serei ainda mais insistente neste ponto.

Pai, tenho saudades tuas.



Deixo-vos uma das receitas que levei à TVI e que é umas das minhas favoritas do livro. São umas bruchettas de cavala, são das entradas que fazem mais sucesso e eram uma das receitas que o meu pai mais gostava também.



Bruschettas de cavala com puré de cenoura

4 pessoas • Entrada/peixe

Ingredientes:

1 pão de cereais fatiado (350g)
2 latas de cavala picante em conserva
3 cenouras médias
2 dentes de alho
1 malagueta pequena
1 folha de louro
2 colheres de sopa de azeite
Sal q.b.

Preparação:

Tostar as fatias de pão numa frigideira com o azeite bem quente.
Esmagar um dente de alho e raspar nas fatias.

Cozer as cenouras num tachinho com água, sal, um dente de alho, a malagueta e a folha de louro. Escorrer a água, retirar a malagueta e a folha de louro e reduzir a cenoura a puré.

Escorrer bem o óleo das cavalas.
Barrar cada fatia de pão com o puré de cenoura e colocar por cima um filete de cavala.

Decorar com micro-rebentos ou ervas aromáticas.

25 de fevereiro de 2015

Hoje agradeço...

Este ano começamos com um projecto em família: fazer um livro dos agradecimentos. E o que é isso ao certo? É um livro, onde todos os dias à hora do jantar eu, o Miguel e a Maria dizemos 3 coisas pelas quais estamos hoje agradecidos. Foi sempre um exercício que a minha mãe fazia connosco. Não em forma de livro, mas sempre nos tentou mostrar as coisas boas da vida, desde uma simples flor que floresce, até ao facto de termos uma casa para viver, comida na mesa, saúde para viver e forças para trabalhar.