Mostrar mensagens com a etiqueta pai. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta pai. Mostrar todas as mensagens

17 de agosto de 2017

a Saudade {risotto de figos e Gorgonzola}


Os meses vão passando e o que vai aumentando é uma saudade, enorme, que aperta o estômago e revolve as entranhas. Todos que me conhecem sabem os sentimentos controversos e a relação que mantinha com ele. Feitio difícil, complicado é pouco para o definir... mas o amor era grande, tão grande como só um laço de sangue poderia criar.

O tempo, esse não perdoa, e ao longo dos dias pensamentos como "tenho de ligar ao pai a contar isto; tenho de lhe mostrar aquilo; tenho de comprar isto para lhe dar; só o pai saberia responder àquilo; o que é que ele pensará disto?" A ficha cai. Já não há comunicação possível e em mais nenhum momento vamos estar juntos.

26 de abril de 2017

O turbilhão {Magret de Pato com Redução de Cacau e Laranja}

Tem sido uma constante por aqui pelo blogue falar-vos da imensidão de trabalho que tenho tido. As emoções descontroladas, e os ataques de choro às escondidas tem sido algo frequentes. Os sentimentos são confusos e baralhados.

Se por um lado [o maior!] me sinto imensamente agradecida por tudo o que a vida me tem proporcionado, por outro estou num limbo de angústia e uma vontade imensa em me fechar sozinha dias seguidos, só para me reencontrar e encontrar a minha paz interior.

Ter imenso trabalho, imensos projectos e imensas ideias é, sem dúvida alguma, o que mais gosto e preciso de ter na minha vida. Fui eu que procurei esta vida, fui eu que lutei por ela e conseguir alcançar os meus objectivos tão rapidamente só me pode deixar orgulhosa. Mas ao mesmo tempo só queria poder estar sozinha, um bocadinho [vá... já nem preciso de dias, já reduzo para umas horas]. Sem pressões, sem responsabilidades. Mas não posso. Não posso e tenho de aceitar isso. Reerguer-me e enfrentar a vida.

Sim! A vida às vezes é muito injusta. Sim, tira-nos assim as pessoas que gostamos e dou por mim diariamente a pensar: "tenho de contar isto ao pai", quando me cai a ficha constantemente de que ele já cá não está. Não é fácil. Digerir a minha perda é difícil, pois tal como ele era uma pessoa difícil, perdê-lo tornou tudo ainda mais complicado. Bem, são questões confusas e minhas, tão só minhas que terei de as resolver igualmente, sozinha. Mas hoje encontrei a forma de me sentir mais próxima dele. Hoje trago comigo o seu bem mais precioso, a aliança dele do casamento com a minha mãe que nunca o abandonou, a não ser aquando a doença o tornou magro demais para a usar. Hoje e para sempre estará comigo, na minha mão direita. Fará parte de mim, um bocadinho do meu pai, sempre junto a mim.

Para isso trago uns dos pratos que ele mais gostava, não esta versão que nunca cheguei a ter oportunidade de lhe mostrar, pois quando a desenvolvi (para o Festival do Chocolate em Óbidos) ele já estava muito doente para a poder provar. Mas aqui fica, Pai, espero que gostes, tenho a certeza que irias adorar.

MAGRET DE PATO COM REDUÇÃO DE LARANJA E CACAU

Ingredientes:

1 peito de pato
Sal q.b.
Pimenta q.b.

Para a redução de laranja:

2 laranjas
125g de açúcar
125ml de água
50g de manteiga de cacau
Flor de sal q.b.

Preparação:

Descasque a laranja e retire o excesso da parte branca.
Apare as cascas e corte em cubos pequenos.
Coloque num tacho o açúcar e a água e leve ao lume.
Quando levantar fervura coloque os cubos de casca e deixar cozer até amolecerem. Coloque depois o sumo de uma laranja e deixe reduzir até obter uma consistência licorosa.
Tempere com flor de sal.
Pré-aqueça o forno a 200º.
Faça leves incisões com a faca do lado da pele do peito de pato, de modo a criar uma grelha, na diagonal.
Aqueça bem a frigideira e coloque o pato com a pele virada para baixo.
Deixe cozinhar alguns minutos, até a pele ter a cor desejada.
Vire o magret e, com a ajuda de um espeto de metal, confira a temperatura no interior. Se pretender rosado, deve estar morno.
Rapidamente, coloque o magret no forno e aguarde cerca de 5 minutos.
Retire e deixe repousar alguns minutos, antes de cortar.
Sirva com a redução de laranja e cacau.

12 de abril de 2017

A sobrevivência do dia-a-dia {e o dia do lançamento do livro}



Fotografia tirada pelo meu queridíssimo amigo Hélder Teixeira

Quando as pessoas me perguntam como estou, confesso que não sei bem o que responder.
Ando num sistema tipo piloto automático, num estado de sobrevivência, acho mesmo que é essa a palavra certa. O facto de estar com imenso trabalho ajuda-me a passar os dias, mas quando páro por uns segundos a realidade assombra-me e fico com a sensação de estar a viver um pesadelo do qual não consigo acordar.

No meio deste turbilhão de sentimentos e de uma vontade louca de me fechar num buraquinho e poder chorar tudo a que tenho direito, tenho imensos compromissos aos quais não posso, nem quero faltar. Começou pela ida ao Você na TV que para quem bem me conhece irá notar uma Maria João bem menos viva pois pressentia, naquele preciso momento, que já não iria chegar a tempo de abraçar o meu pai. E depois, no dia seguinte, o lançamento do livro.

E é, por causa do lançamento, que aqui escrevo, porque tenho de agradecer às dezenas de pessoas que apareceram, num dia em que o sol brilhava forte lá fora. Quero, também, agradecer aos meus amigos, incansáveis a procurar o meu bem-estar, especialmente ao Hélder, que esteve sempre presente, me acompanhou nos piores e melhores momentos destes dias atribulados e que no dia do lançamento apareceu em minha casa com a fabulosa maquilhadora Joana do Porto Canal. Não tenho mesmo palavras suficientes para vos agradecer.

Depois às minhas meninas, da minha equipa fabulosa, que agilizaram tudo, tínhamos uma bancada cheia de flores, mesmo ao estilo Clavel's Kitchen. Aos meus familiares que estavam lá em peso. Ao Miguel, à minha mãe, aos meus irmãos...

Por fim, mas não por último, quero agradecer ao Nuno Borges que fez uma apresentação incrível e, como diz a Teresa, é sempre um prazer ouvi-lo falar. O seu domínio pela área da nutrição e alimentação é imenso e é uma honra enorme para mim estar a seu lado e ouvi-lo dizer que o meu livro é um bom livro; Ai, que orgulho!

O lançamento foi, realmente, um sucesso. Um dia muito agridoce para mim, mesmo muito. Mas, pai, se até agora a minha palavra sobre um equilíbrio alimentar foi relevante, a partir de agora torna-se imponente, essencial e crucial. A importância de uma alimentação saudável, um estilo de vida saudável é fundamental para uma vida equilibrada e com menos riscos. Sei que se pelo menos estivesses um pouco mais atento poderíamos ter evitado este desfecho horrível e, por isso, a partir de hoje serei ainda mais insistente neste ponto.

Pai, tenho saudades tuas.



Deixo-vos uma das receitas que levei à TVI e que é umas das minhas favoritas do livro. São umas bruchettas de cavala, são das entradas que fazem mais sucesso e eram uma das receitas que o meu pai mais gostava também.



Bruschettas de cavala com puré de cenoura

4 pessoas • Entrada/peixe

Ingredientes:

1 pão de cereais fatiado (350g)
2 latas de cavala picante em conserva
3 cenouras médias
2 dentes de alho
1 malagueta pequena
1 folha de louro
2 colheres de sopa de azeite
Sal q.b.

Preparação:

Tostar as fatias de pão numa frigideira com o azeite bem quente.
Esmagar um dente de alho e raspar nas fatias.

Cozer as cenouras num tachinho com água, sal, um dente de alho, a malagueta e a folha de louro. Escorrer a água, retirar a malagueta e a folha de louro e reduzir a cenoura a puré.

Escorrer bem o óleo das cavalas.
Barrar cada fatia de pão com o puré de cenoura e colocar por cima um filete de cavala.

Decorar com micro-rebentos ou ervas aromáticas.